Dica de filme : Nunca é tarde para amar

nunca_tarde_para_amar Mais uma dica de filme “água com açucar”, que é bem o meu estilo rsrsrs, adoro comédias romanticas…Pra varias não é um lançamento, mas um filme muito agradavel de se assitir. Michelle Pfeiffer esta lindíssima como sempre.

Rosie (Michelle Pfeiffer) é mãe de Izzie (Saoirse Ronan), adolescente que está apaixonada pela primeira vez. Esta situação também acontece com ela, que, perto dos 40 anos, se apaixona por Adam (Paul Rudd), homem bem mais jovem, o que deixa Rosie cheia de dúvidas sobre se deve ou não manter o novo relacionamento…

Rosie é a produtora de uma série teen de TV que está com problemas de audiência. Precisa, rápido, de algum elemento que cative os telespectadores adolescentes, antes que derrubem-na e coloquem um reality show no lugar. É aí que aparece o personagem de Rudd. Adam faz teste para viver um nerd estereotipado no seriado e se encaixa como uma luva. É o homem bom em um meio corrompido, aquele que faz piadas com o censor e que não se impressiona com implantes de silicone. Rosie se apaixona por ele já no meio do casting.

Não tem como não se apaixonar – a diretora Heckerling sabe que não há canal mais legítimo com o público hoje do que um bom galã geek, e Paul Rudd se encaixa no perfil com perfeição. Através dele, Nunca é Tarde Para Amar passa então a criticar tudo o que não é “autêntico” na indústria: a jovem estrelinha, o executivo fora da realidade, todos aqueles que estão em Hollywood trocando sexo por uma chance de fama, etc.

O problema é que essa piadinha interna logo passa a lição de moral. Nunca é Tarde Para Amar sobe no salto alto e se proclama a última trincheira da pureza. Não se questiona aqui se Hollywood merece essa lição. O que se questiona é se o filme tem autoridade para aplicá-la. Fica a impressão, o tempo todo, de que Amy Heckerling e os seus roteiristas resolveram fazer um filme para se vingar de seus insensíveis chefes, mas não se preocuparam em refletir se o próprio filme não reproduz a visão estreita que eles criticam.

nunca_tarde_para_amar_02 O melhor exemplo é a constrangedora subtrama da secretária loira que tenta separar o casal protagonista. Nunca é Tarde Para Amar denuncia a estereotipação em Hollywood, mas a reproduz sem a menor autocrítica. Um filme que segue tão descaradamente os clichês do gênero pode dizer que está criticando algo? Nesse sentido, não há nada mais sintomático do que o número que fecha o filme – parodiar cantoras usando a própria música pop. É como aquele comediante que ridiculariza a celebridade, mas sem ela não teria material para fazer rir.

Amy Heckerling já posou de autoridade quando fez As Patricinhas de Beverly Hills, mas pelo menos a comédia de 1995 deixava transparecer algum carinho pelas suas personagens, ao mesmo tempo em que as ridicularizava. No moralista Nunca é Tarde Para Amar, dignidade é privilégio de poucos escolhidos, e para ser tratado como gente a personagem precisa passar no processo de seleção antes.

Título no Brasil:  Nunca é Tarde para Amarnunca_tarde_para_amar_01
Título Original:  I Could Never Be Your Woman
País de Origem:  EUA
Gênero:  Comédia / Romance
Classificação etária: 12 anos
Tempo de Duração: 98 minutos
Ano de Lançamento:  2007
Estréia no Brasil: 21/09/2007
Site Oficial: 
Estúdio/Distrib.:  California Filmes
Direção:  Amy Heckerling

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s