”Queremos a volta do Estado” ao setor de telecomunicações

telecomunicaçoes Uma proposta pública para o setor de telecomunicações, que ficou em consulta para receber sugestões da sociedade até a noite desta quarta-feira, recebeu 2.612 contribuições.

A consulta era aberta, e a população pôde, então, fazer todo tipo de sugestão.

Muitas contribuições protocoladas, exigem uma  ‘volta do Estado’ ao setor de telecomunicaçoes, cuja privatização completa 10 anos em 2008.

Abaixo, algumas sugestões recebidas, que estão disponiveis no site do ministerio:

“Com uma empresa estatal no comando do projeto, com o propósito de geri-lo, o desenvolvimento e produção dos serviços poderia se dar por meio de metas estabelecidas pelo governo, não ficando a mercê das operadoras privadas”, diz José Eduardo Penello Temporão, na sua sugestão.

“Para estruturar a banda larga é preciso pensar na granularidade, ou seja, fazer um raio X do país por renda, população, localização dos municípios. Nas classes D e E, o Estado tem que entrar, assim como nos municípios pobres e nos mais distante, e a Telebrás é a solução para isso”, também defende Leonardo Gadelha Sampaio, referindo-se à companhia estatal que coordenava as operadoras de telefonia de todos os Estados do país até 1998.

Matheus de Lima justifica, ao defender uma empresa estatal para centralizar a infra-estrutura de banda larga: “porque é anticonstitucional a população brasileira pagar para que empresas privadas recebam o nosso dinheiro, por mais que elas invistam em infra-estrutura, ela nunca será nossa (falta de soberania nacional), e pior, as empresas privadas poderão cobrar o valor que elas quiserem por um serviço. Igual à praga de pedágios que estamos enfrentando hoje, mas este é um caso muito mais delicado, estamos falando de informações, imaginem uma rede privada tomar conta de cada informação pública transmitida”, disse ele.

Felipe Soares Silveira propõe, explicitamente, que o governo invista em “uma empresa pública de telecomunicações”.

O Ministério das Comunicações não quis se pronunciar sobre a consulta. A assessoria de imprensa da pasta explicou que todas as contribuições serão analisadas e que o próprio ministro Hélio Costa deverá falar sobre a proposta depois da análise.

O que você acha? Qual é sua opinião? deixe um comentario a respeito.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s